Dançando fora do país


Bom dia a todos os dançarinos do Rei o/   

pra quem não me conhece clique aqui e saiba um pouquinho mais de mim ^^

Hoje quero falar sobre minha experiência dançando fora do país!
Em 2007 fui morar no Japão com os meus pais e uma das minhas maiores tristezas era deixar o meu grupo de dança aki no Brasil. Nem eu e nem minha irmã, que dançávamos no mesmo grupo queríamos ir, mas Deus tinha um plano diferente para nossas vidas. E havia nos falado que nos usaria para sua obra, e foi nesse tempo que Deus usou uma querida irmã para profetizar em nossas vidas que éramos “Dançarinas do Rei”, então com a tristeza de deixarmos os amigos e familiares aqui no Brasil , fomos com o anseio de sermos usadas por Deus. Ao chegarmos lá descobrimos que não havia uma Igreja Batista para congregarmos, assim como era aqui no Brasil, começamos a ir numa igreja com outra denominação,( não direi qual para preservar a imagem da mesma, até porque não tenho preconceito com igreja nenhuma, creio que Deus está em nossos corações e não importa onde estivermos.), no início foi meio difícil porque a igreja era pequena e não tinha jovens como nós e os cultos e costumes da igreja eram diferentes ao que eu estava acostumada. Mas aos poucos Deus foi tratando isso em meu coração e passei a amar cada um e cada pedacinho daquele lugar. Antes de irmos para o Japão desenhei vários modelos de uniformes e levei cerca 7 uniformes diferentes, porque não queria parar de dançar, e tinha convicção na minha mente e coração que Deus ainda iria me usar lá. Eu e minha irmã decidirmos um dia montar uma coreografia e a apresentar no culto. Ficamos super nervosas e com medo da reação dos irmãos, porque não havia nenhum grupo de dança lá e nunca houve, quase que nem tinha um grupo de louvor. Oramos a Deus e pedimos que fosse feita a vontade dele e que nossa dança tocasse o coração daqueles irmãos e irmãs que estivessem alí naquela noite e que Deus fizesse a obra dele naquele lugar.
Se eu não me engano, dançamos a música “Jesus que amor é esse” do André Valadão com a Ana Paula. Começamos a dançar e dançar e foi fluindo naturalmente, queria mais do que nunca estar alí para adorar a Deus e dar o melhor para ele. No final da apresentação o pastor pegou o microfone e nos parabenizou e disse ainda que como era bom ver que temos novas formas de adorar a Deus. E aquilo foi só o início de tudo…
Com o tempo fui convidada a entrar para o grupo de louvor, comecei a aprender a tocar teclado e dançava também em muitas oportunidades, todas as vezes que a igreja viajava para outro estado estava eu lá para dançar no louvor, e todos ficavam encantados porque não se via isso lá no Japão. E eu sempre dizia: “É para honra e glória do Senhor”.
Todo louvor mesmo quando eu não estava dançando as crianças vinham à frente e começavam a rodopiar e pular na tentativa de me imitar, era tão lindo ver como Deus estava tocando naqueles coraçãozinhos. Era o que me motivava a continuar mesmo nos tempos difíceis.
Até que me convidaram a montar uma coreografia para as crianças dançarem no culto de crianças. Ensaiei com elas, confeccionamos uniformes e elas eram as mais animadas, foi um tempo muito bom e mais ainda adorar a Deus rodeada de crianças que têm o coração tão puro na presença de Deus.
Uma certa vez, estava passando por muitas lutas em casa e resolvi dançar para Deus uma música lá na igreja, não me lembro o nome da música mas era do CTMDT “Te adorar te buscar é o meu prazer, como eu quero te conhecer cada vez mais…”, e quando comecei a dançar o CD começou a pular e não queria rodar mais, na hora a única coisa que veio ao meu coração foi: continue dançando, porque se você parar é o que o inimigo quer. Parei então e comecei a orar em voz alta e repreendi o inimigo e falei que não iria para de adorar a Deus só porque não tinha música, comecei a cantar a música e dançar ao mesmo tempo e a igreja se levantou e começou a cantar e louvar junto comigo, foi uma experiência tão fora do comum e maravilhosa para mim que nem sei explicar viu.
Depois disso, a líder do círculo de oração pediu que eu montasse uma música e as ensinasse, para apresentarmos, foi meio difícil porque não poderia ter passos muito complexos mas ao mesmo tempo não gosto que a coreografia fique muito repetitiva, mas foi legal passar esse tempo com elas ensaiando e orando, elas amaram!
Hoje estou no Brasil e não me arrependo de ter voltado ao Japão naquela época porque era o que Deus queria, foi bom ver que até hoje as crianças apresentam na igreja e que se formaram grupos de dança em outras igreja que eu tive a oportunidade de dançar.
Queria mostrar para vocês que estão começando um grupo ou que já estão em um há muito tempo e que não sabem como lidar com as diferenças e complicações que surgem, que entreguem tudo nas mãos de Deus e não desistam em meio as dificuldades pois é aí que Deus vai te usar e tocar em muitas vidas. Se está difícil e não sabe o que fazer continue adorando a Deus, não é isso que agente houve? Passe pela prova adorando a Deus?, então faça isso da maneira que você sabe de melhor: Dançando, porque no final Deus sempre vai te honrar!!

Deus continue abençoando todos vocês, e que as forças dele sejam renovadas a cada dia em suas vidas.

Jack Arimura

24/05/2012

Dicas de dinâmicas


Vou postar hoje algumas dinâmicas para aula de dança (evangélica). Bem estou postando aqui algumas dicas, e dessa vez a dica vai ser sobre dinâmicas.

Para trabalhar o espontâneo:

- Faça uma roda, coloque uma musica se possível desconhecida e mande cada uma ir ao centro da roda e fazer a sua adoração a Deus, espontânea. Se for para rolar role, se for para só se prostar só se proste. Pode falar para quem sentir no coração ir até a roda. Ou pode ser quem você ir chamando. Ou você vai e chama alguém, que chama alguém e assim vai.

Para trabalhar a dança profética:

-Faça um sorteio com nome das pessoas do grupo, mande cada um pegar é como um Amigo Secreto (amigo oculto). Cada um tira um nome se tirar o próprio troca, no próximo ensaio a pessoa traz uma mensagem para essa pessoa, não escrita mais na cabeça para ser falado. Pode ser um versículo ou mensagem mesmo. Quando chega o dia você coloque um instrumental e faça roda. Se possível comece por você dance a mensagem para a pessoa que você tirou, depois ela dança a mensagem para outra. Isso ajuda a colocar a mensagem que você que passar para dança. Mas avise sobre a dança só na hora.

Para trabalhar expressão:

Em roda, vocês podem perceber que as dinâmicas que eu criei são tudo em roda. Alias nem sei se foi eu que criei na verdade galera eu nunca vi essas dinâmicas então por isso eu acredito que foi eu mais se já existir perdão é que eu não estou informada.

Bem essa dinâmica será em roda, você coloque uma musica e a pessoa tem que dança pela expressão nada de gestos, nada de passo apenas expressão. Transmitir a mensagem pela expressão.

Para Trabalhar o pouco espaço:

 Faça um quadrado no chão de 1 ou 2 metros, cada lado. Coloque duas pessoas dentro desse quadrado o objetivo é dançar sem sai do quadrado e sem tromba. Eles terão que explorar as varias formas de conseguir dança em um espaço pequeno, para se caso for em uma igreja muito pequena conseguirá. A musica pode ser uma coreografia, ou até mesmo espontâneo. 1 m é muito pouco eu sei mais quando menor mais eles vão se esforça quando chega em um lugar pequeno não será problema o espaço. Faça isso até mesmo com coreografias montadas, depois que já montou e todos pegaram treinem em espaço maior e em espaço pequenos.

Para trabalhar dupla:

 Faça algumas coisinhas estranhas mais legais. Amarre os braços no caso de duas pessoas, e a dinâmica e dança com os braços amarrados. Ou amarre as pernas (obs.: é a penas um braço ou uma perna), ou até mesmo amarre um braço e uma perna assim fazendo gêmeos siameses. O que isso vai ajudar? As duplas terão que fazer movimentos iguais porque se não um pode cair, isso exigira muito trabalho da dupla. Pode ser com dança espontânea ou coreografada.

Outras dinâmicas:

  1. Se você perceber que as meninas do seu grupo estão muito agitadas e não estão conseguindo concentrar, tenha sempre um cd de musicas instrumentais, como flautas e piano. Mande todos deitarem deixar o corpo bem leve, ficar totalmente deitado no chão mais da posição que eles acharem melhor. Mande fechar os olhos e coloque a musica e mande-os concentrar na musica. Fique de pé monitorando se alguém conversar ou se vai e pede para parar mantendo todos de olhos fechados. Isso trás concentração e calma.
  2. Pode tirar as cadeiras da igreja ou arredar os bancos dando grande espaço, mandando eles corre em volta dela com uma musica agitada. E depois você pode ir falando: “dançando no chão.” Ai eles vão dançar. “Corra mais rápido”. Essas coisinhas, para trabalha a criatividade. “Dance agachado”. Coisas difíceis.
  3. Essa dinâmica não tem muito haver, faça um amigo Secreto diferente, coloque os nomes de cada participante de grupo, e a pessoa vai tirar quem ela tirou ela vai orar pela pessoa e escrever uma carta para essa pessoa.

O preparo para a adoração


  Para Shedd (1987), poucas são as atividades das quais participamos que não podem ser aperfeiçoadas com preparo e treinamento. Exercícios físicos, por exemplo, dão ao atleta e ao bailarino possibilidades de uma otimização dos movimentos corporais. Enfim, todas as profissões e artes requerem igual ou maior esforço e dedicação para serem apreciadas. 

 Cultuar e adorar também exige preparo, pois Deus tem para nós importância infinitamente maior que qualquer auditório ou teatro, e ele merece o melhor que podemos lhe dar. Para ele, são as primícias do nosso talento e da nossa dedicação consciente. 

 Alguns passos são essenciais para a realização de um preparo para a adoração, porém é bom ressaltar que não há uma linha divisória que separa a prática que antecipa o culto da adoração pública em si ou vice-versa. 

                                      

  Em primeiro lugar, quero citar a necessidade da oração, da busca de Deus face a face diariamente. Essa procura depende da fé, pois sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe…(Hb 11:6) Dessa maneira, Deus galardoa aos que o buscam verdadeiramente. 

              

 Em segundo lugar, o quebrantamento e o arrependimento. Um culto oferecido sem a devida purificação é declarado detestável e aborrece o coração de Deus (is 1:3 e Sl 50: 7-13). O arrependimento e o quebrantamento bíblico sempre foram mais do que apenas sentir pesar pelo pecado. Trata-se de uma mudança de atitude e de vida. Jesus nos ensina a pedir perdão pelas dívidas contraídas e por outro lado também perdoar aos nossos devedores (Mt 6:12). O quebrantamento é o quebrar do vaso, para ser refeito pelas mãos do oleiro. Por isso, o reconhecimento e o arrependimento sincero de nossos pecados e falhas nos aproximam ainda mais do Pai e transformam essa experiência em um encontro tremendo com o nosso salvador.

                     

Em terceiro lugar, ser liberto de tudo o que impede nossa comunhão com o Espírito Santo de Deus (Cl 3:5-10). Muitos se acomodam, pensando que ao aceitarem a Jesus como salvador tudo será resolvido, e continuam a repetir hábitos e práticas que impedem uma comunhão com Deus. A nossa natureza terrena precisa ser modificada, transformada. Por natureza terrena precisa ser modificada, transformada. Por isso, é preciso que nos humilhemos na presença do Pai e aceitemos que ele faça de nossa vida um vaso novo. A libertação é promovida pelo Senhor Jesus Cristo, que nos liberta do império das trevas (Cl 1:13-15) e é indispensável para que se fecham as brechas em nossas vida e para que a intimidade com o pai seja uma realidade.

 

Em quarto lugar, é preciso obediência: estar no centro da vontade de Deus. Após o quebrantamento, o arrependimento e a libertação, estamos mais preparados para ouvir a Deus e sua revelação. Para isso devemos meditar nas Escrituras e estarmos atentos á voz do Espírito Santo. A Bíblia os conta que o rei Saul perdeu o reino de Israel por obedecer a Deus, por seguir seus próprios interesses e querer agradar aos outros, quando, na verdade, o obedecer é melhor do que o sacrificar, e o entender, melhor do que a gordura de carneiros (1Sm 15:22). Finalmente, a adoração não deve se resumir a períodos de louvor como parte de um culto público, seja esta uma vez ou mais vezes por semana, e nem os nossos ensaios devem ser considerados meros encontros técnicos voltados apenas para a práticas intrínsecas á nossa fé em Jesus Cristo, assim como a santidade. Acima de tudo, a adoração é um estilo de vida diário.

Seu grupo no blog


O Ministério de dança KADOSHY é da Igreja Quadrangular em MG Região da Grande BH.

s

sem título

“Desejo ao ministério Kadoshy tudo de bom, que Deus possa abençoa as suas vidas grandemente e que vocês dançam muito lindo. Que Deus possa usar vocês como instrumento. Deus abençoe vocês e que nada possa faltar para vocês! E eu quero que vocês venham na minha igreja hein! Tambem sou mineirinha de BH! Obrigada por libera o seu grupo no blog. beijos!”

Tem um video de uma apresentação Música do André valadão Fogo de DEUS. “Foi uma benção a cada vez ministramos essa canção o Espirito Santo vem de uma forma sobrenatural(GLORIA A DEUS!!!).Que o fOGO DO SENHOR acenda no coração de cada um Paixão pelo nome dele. ” diz Suely do grupo Kadoshy.